Debate com o Ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger

Data do evento 20/05/2015 - 14:00

PARA OBTER APRESENTAÇÕES, REPERCUSSÃO NA MÍDIA, PDFS E DEMAIS INFORMAÇÕES SOBRE O EVENTO. CLIQUE AQUI.

 

 

A abertura do evento ficou a cargo do diretor da EPGE, professor Rubens Penha Cysne e do o Vice-diretor da Direito Rio, professor Sérgio Guerra. Rubens destacou ser um grande prazer ter a possibilidade de discutir o país. “Vamos falar da parte processual e discutir ideias, mais abstratas possíveis, em torno dos problemas que nós temos, mas trazendo o amparo de várias outras ciências para o nosso debate. Por isso, eu agradeço a Escola de Direito pela parceria nessa empreitada, na verdade a primeira de uma série de empreitadas que vamos promover”, disse.

Logo após, o professor Sérgio Guerra também deu boas vindas a todos presentes e passou a palavra para o Ministro Mangabeira Unger que defendeu a inovação radical das instituições econômicas e políticas, além da necessidade de um choque de ciência e tecnologia para que se desenvolva o produtivismo includente. Para o ministro, “faltam braços, asas e olhos a essa vitalidade brasileira, que precisa de uma aliada que é a imaginação. O atributo mais importante do nosso País é a vitalidade e a nossa maior tragédia histórica é o desperdício dessa vitalidade”.

Ao defender mudanças nas instituições econômicas e políticas, sugeriu “substituir o pacto nacional de desenvolvimento ou alternativa liberal”. Para ele, o verdadeiro debate não deve ser o mercado contra o Estado, mas deve ser como pensar as formas institucionais alternativas do mercado. Ressalta ainda “que os progressistas precisam focar o lado da oferta, da produção e propor uma versão progressista sobre ela”, disse.

A respeito do ajuste fiscal, o ministro Mangabeira enfatizou que ele está sendo feito não somente para se ganhar confiança, mas para não nos fazer dependentes desta confiança financeira que se pretende. “O ajuste veio para evitar desorganização da economia privada e reafirmar o poder estratégico do Estado; o ajuste fiscal é agenda preliminar”, explicou Unger.

Confira a repercussão na mídia:

O Globo Online - RJ

JB Online - RJ

Agência Brasil - DF

Jornal do Commercio Online - RJ